Quem disse que morto não ressuscita?

Fernando Collor de Mello, mais um cadáver político que foi trazido das cinzas ao pó. (calma, ele não viro traficante nem usuário de drogas!)

Quem foi Fernando Collor de Mello? Calma, a titia explica pra você. (titia, com 17 anos, de marmanjo é foda. Mas tudo é possível)

Em 1989 o Brasil passava por uma crise pós-regime militar, a insatisfação da população com a situação econômica crescia. Naquele ano a inflação havia chegado a 1763% (se não me falha o cérebro).

Em meio a toda essa turbulência, Collor, resolve se lançar como candidato a presidência da república – na época Collor era filiado ao Partido da Renovação Nacional (PRN) – prometeu romper definitivamente com a corrupção e a ineficácia da política econômica brasileira... E todas aquelas baboseiras que nunca são efetivamente cumpridas.

Juntamente com Collor se candidataram ao cargo de presidência: Luís Inácio Lula da Silva, Paulo Maluf, Leonel Brizola... E outros que não me recordo o nome no momento.

Collor utilizou-se de uma intensa e sofisticada propaganda de marketing para vender sua imagem aos brasileiros, escolheu como vice presidente (ou seria vice-presidente?) o político mineiro Itamar Franco.

Adivinha quem elegeu Collor? A GLOBO.

“A Globo vota, Ananda?” Cala a boca, bixo!

No segundo turno das eleições presidencialistas de 1989 a Globo edito o debate entre o Lula e Collor, segundo ao que ela queria que a população brasileira acreditasse.

Mais uma vez é a GLOBOALIZAÇÃO, em ação! (viu como sou boa de rimas?)

Após eleito, Collor criticava a intervenção do Estado na economia e defendia a abertura da economia ao capital externo. Além de um amplo programa de privatizações. Atacava os “marajás”, funcionários públicos com salários elevados, e apelava para os “descamisados”, os brasileiros menos privilegiados.

Só para fugir da rotina, a figura de “bom moço” de Collor não correspondia com o que ele era na realidade. Quando governador de Alagoas aumentou os salários de altos funcionários do Estado, adquiriu veículos sem licitação de verbas... Entre outras coisas.

Pra resumir um pouco a história, Collor em 1992 foi acusado pelo seu irmão de suborno, fraudes eleitorais, sonegação, proteção de empresários.

Foram investigadas e comprovadas essas e outras coisas, o que levou o movimento estudantil voltar às ruas e pedir o Impeachment de Collor.

Voltando ao ano de 2009 o meu [ironia] querido [/ironia] Presidente Lula Molusco apoiou a ressurreição de Collor, mas dessa vez como Presidente do PAC (Não, essa sigla não quer dizer Plano de Aperfeiçoamento Cosmético que a Dilma Rousseff fez).

É o mesmo que colocar o lobo como bábá da chapeuzinho vermelho (ou chapeuzinho-vermelho?) enquanto sua vovozinha sai para fazer compras.

13 comentários:

Vanda disse...

kkkkkkkkkkkkkk

Ví seu status no orkut e vim correndo ver o "morto" uahuahauhau

aff... esse collor é uma besta creduuu, dá nojo da política brasileira!!!

Ótimo texto [minha amiga escritora]

Beijão
Vanda

Anônimo disse...

amiiiga aaameei esse negociO aki
kkkkkkkkkk
"cala boca bixo"
sahusauhushahs

quero um autografO dps amiga *-*

tee amO mt
e contiinuee assim
^^

bjOo
;**
Ani

Daniel Maia Silveira disse...

Na época havia uma enormidade de candidatos nanicos, mas além desses que você citou, ainda tinha o Mário Covas, Roverto Freire, Enéias, Ulisses Guimarães e um Zé Ruela chamado Marronzinho.

Danna - A Escapista... disse...

Oi, eu lembro que no tempo da Eleição de Collor, ele aparecia nos comerciais (da globo) como um homem estudado, inteligente, poliglota, se não me engano tinha té uma propagando em que ele aparecia surfando, artimanhas globais pra ganhar o telespectador.Lula pra mim é mais um vendido, na política existe algo chamado mémoria temporária. Já vi que assim como eu você gosta de política, já ouviu falar em Cidadão Kane? Procura no youtube "Muito Além do Cidadão Kane" e divirta-se!

Mafia171 disse...

ele nao morre Uu

André Luís Leite disse...

ola querida! meu intuito nao foi ofender a voce - simplesmente nao entendo porque blogs tao fracos com os que citei tem tantos acessos. eles nao sao melhores que o seu, olhando bem o seu é melhor - me perdoa mas o post foi dirigido para os editores daqueles blogs e se te ofendi foi sem querer. a vantagem de voce ter pouquissimos leitores e amigos no orkut é que voce se fica chateado quando ofende alguem especial como alguma destas pouquissimas pessoas. sucesso e sorte.

André Luís Leite disse...

fui lider do comite da juventude do PRN/ Collor na minha cidade em 1989.
sem comentarios.

Diego? Glommer? disse...

Eah...

Imagem é tudo.

No caso de Collor foi forjada uma imagem ideal para aquele momento de abertura política. Jovem, aparentemente decidido, supostamente liberal...

Lembro de quando ele ia na minha cidade (Araxá-MG), no hotel 5 estrelas de lá. A gente ia com aquelas bandeirinhas para a porta da escola recepcionar a passagem dele por lá. Uma ou duas vezes ele desviou a rota e deixou a gente feito besta lá.
Lembro também dele lá... correndo pelo parque do Barreiro. A mais pura expressão dessa imagem que ele gostava de passar.

E o pior que ele se elegeu do nada. Era uma figura quase inexpressiva para o cenário nacional. Foi simplesmente "construído" devido ao que era conveniente aos grandes. Os quais a Globo tratou de representar...

E todo mundo sabe o que ele fez depois...

E agora? Agora trazem isso de volta...

http://solucomental.blogspot.com

Diego? Glommer? disse...

Ah... sobre o seu comentário a respeito da solidão, digo que o autor coloca esse mesmo sentimento que você tem. Ele diz, não exatamente com essas palavras que: "as multidões são grandes massas de homens sós".


Beijo
.

http://solucomental.blogspot.com

Moça do Fio disse...

A história Política do Collor é única. E ele teve a imagem de melhor presidente. Contou com o Marketing da Globo e de jornais importantes da época.

É lamentável que hoje, depois de tudo que ele fez, tenha retornado à vida Política.

Será que o povo brasileiro tem memória fraca?

Beijo.

Thales Rafael disse...

Como disse a Moça do Fio do comentário acima, não foi só a Globo que apoiou a candidatura de Collor. Fato que ela foi decisiva no processo. Mas o grande fator que colaborou para isso foi o fato de a transmissora da Globo em Alagoas pertencer à família Collor. Desde seu mandato como governador do estado, Collor montava um acervo enorme de lindas imagens que o mostravam como o grande líder. Não por nada. Entre um líder sindical ou o Brizola que sempre desceu o cacete na família Marinho, Collor era a melhor alternativa. Eis que surge o "caçador de marajás".

Curioso tambem o fato dos mesmo veículos como a Globo, Veja e outros terem sido os carros-chefe na retirada do presidente do poder.

Quanto ao apoio de Lula, realmente é uma vergonha. Não vou esconder que por mim, o PT continuaria no poder até algo melhor aparecer. Entre Lula e qualquer outro tucano, ainda fico com ele, mesmo não sendo lulista. Quando Collor conseguiu seu atual mandato de senador, o presidente foi o primeiro a defendê-lo dizendo que ele poderia fazer um bom trabalho. Talvez sim. Caso fossêmos crentes em uma reabilitação do verdadeiro marajá. Mas isso se torna escarninho quando percebemos que isso é fruto de uma falta de memória do povo e de campanhas de marketing cada vez mais elaboradas.

A real culpa mesmo é do Renan. Ele foi o fdp que articulou o senado todo para eleger o Collor para a comissão de infra-estrutura.

Liipee disse...

Bom..
eu não sabia desse 'tantão' de coisas que você citou..
mas porém, agora sei..
sei também que eu acredito no lugar(assim como o Bruce de Batman fala: I believe Harvey Dent)..
mesmo que ele esteja envolvido com um monte de merdas politicas e etc..
acredito que ele levará o Brasil, mesmo lentamente, mas levará a ser um país melhor..
sei também, que daqui há alguns anos, quando tiver outro politico na presidencia, robando mais e fazendo mais besteiras sei que virei aqui e verei teu blog postando sobre tal..
:)

abração, e obrigado pela vsita.
:*

Fran disse...

aaa e dá uma passadinha lá no blog, que tem selos pra vc :))

Postar um comentário

Escrevo o que quero, sem medo de ouvir o que não quero.